Últimas Notícias
ISRAEL: O RENASCIMENTO DE UMA NAÇÃO – 70 ANOS!

ISRAEL: O RENASCIMENTO DE UMA NAÇÃO – 70 ANOS!

Comemorações emocionam e envolvem tecnologia de ponta

O aniversário de Israel começa, na verdade, em 29 de novembro de 1947, quando o diplomata brasileiro Oswaldo Aranha, num ambiente de nervosismo, dá início a votação do plano de partilha, de grande decisão histórica na recém criada Organização das Nações Unidas – ONU.

Brasileiro Oswaldo Aranha, na ONU. Abre o caminho para a criação do Estado de Israel

Em ordem alfabética, o brasileiro Oswaldo Aranha chamou em primeiro lugar o Afeganistão que votou conta; a seguir, Argentina, que se absteve. Logo após a Austrália, que deu seu voto a favor; assim como Canadá, Nova Zelândia, África do Sul, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Bolívia, Brasil, Bielo-Rússia, Ucrânia, Tchecoslováquia, Polônia, exceto Iugoslávia, Chile e China, que também se abstiveram. Cuba votou contra. Dinamarca e os países escandinavos (Noruega, Suécia e Islândia) votaram a favor. Etiópia, para a fúria dos delegados árabes, se absteve. França, apesar do receio votou a favor. Voto contrário foi dado também pela Grécia e Índia. Tailândia não respondeu a chamada – estava sem delegado. A União Soviética deu voto favorável, igualmente aos Estados Unidos. Inglaterra se absteve.
Oswaldo Aranha pronunciou o resultado. A apuração dos votos de 25 países votando a favor, 13 contra, 17 abstenções e 2 ausências foi uma explosão delirante no recinto. Pessoas choravam em alta voz e mulheres aos gritos com a histeria provocada por aquele momento de tamanha emoção. Os britânicos sérios e os árabes esboçando um ódio quase incontrolável. Oswaldo Aranha, esboçando ar sorridente, pedia um quase impossível silêncio ao público presente. Resolução aprovada caberia a Grã-Bretanha promover a evacuação de suas forças. O Mandato findaria a 15 de maio de 1948.

Sendo homenageado pelo Estado de Israel o diplomata brasileiro Osvaldo Aranha é nome de ruas em Tel Aviv, Ber-Sheva e Ramat-Gan e no Campus da Universidade Ben-Gurion do Negev em Bersebá. Praça, na esquina com a Rua King George, em Jerusalém.

Israel 70 anos! De acordo com o calendário hebraico, as festividades do dia da independência do Estado judeu começaram na quarta-feira 18/04.

Para a maioria dos israelenses, o Dia da Independência é, em primeiro lugar, um dia para passar com a família e os amigos, fazer um churrasco ou observar os jatos da Força Aérea sobrevoando Tel Aviv. Para as festividades, vendedores de rua oferecem a bandeira de Israel e outros itens nas cores azul e branco.

Quando assistimos a esse vídeo, chegamos à conclusão que temos muitos comportamentos semelhantes, inclusive em termos de cultura nacional e também somos israelenses. Alguns o são por herança biológica, através do dna. Outros pelo grande amor que dedicam à Israel e à sua causa. São como os filhos. Uns são naturais, gestados pelo pai e mãe e outros o são pelo coração, via adoção. Difícil explicar quem é mais amado.

Arte final que divulga os 70 anos de Israel

Para comemorar os 70 anos de Israel, israelenses estão se reunindo em festas realizadas desde as margens do Mar da Galileia, no norte, até a cidade de Eilat, no sul. Também estão planejadas celebrações no Bulevar Rothschild, em Tel Aviv, onde David Ben Gurion anunciou a independência de Israel no dia 14 de maio de 1948. 

Documento histórico – Bem Gurion anuncia a criação do Estado de Israel em 14 de maio de 1948

A 14 de maio, com a retirada das tropas britânicas do território palestino, Ben Gurion proclamou a criação do Estado de Israel – fato ocorrido no museu da cidade de Tel Aviv, às 16:00h tendo como testemunha deste ato histórico 240 pessoas. 

Para a maioria dos israelenses, o Dia da Independência é, em primeiro lugar, um dia para passar com a família e os amigos, fazer um churrasco ou observar os jatos da Força Aérea sobrevoando Tel Aviv. Para as festividades, vendedores de rua oferecem a bandeira de Israel e outros itens nas cores azul e branco.

Jornalista Theodor Herzl – Pai do Sionismo Moderno

O ator Yair Lehman está se preparando para representar Theodor Herzl, o pai do sionismo político moderno, durante as celebrações do Dia da Independência. “Setenta anos querem dizer que, por um lado, estou feliz por todos os motivos históricos”, constata Lehman. “Mas também é um momento para preocupações: para onde esse país, a nação, vai agora? Qual será a relação com nossos vizinhos, e o que fazer com todas as nossas desavenças internas?”, questiona.

Israel 70 anos – Tradição e desenvolvimento tecnológico convivendo em harmonia

Como transformar os 3.000 anos de história de #Israel em um vídeo animado de 10 minutos? Estes são os destaques da jornada do Povo Judeu desde sua pátria, passando pelo exílio e ameaça de extinção, até o retorno e a independência em uma próspera democracia que celebra agora seu 70º aniversário!  E… no começo de tudo isso, vamos encontrar….UM JORNALISTA! Theodor Herzl  #Israel70

O vídeo: Renascimento de uma nação – 70 anos de Israel foi produzido e está sendo divulgado pelo Moriah International Center:

 

Yon Hashoá – Dia de Lembrar do Holocausto…

Esse dia foi criado para que nunca nos esqueçamos do holocausto!

Precisamos lembrar para não esquecer. Para que isso nunca mais aconteça!

Quando chegou a hora, ele calmamente disse para as crianças que iriam viajar, que fizessem as malas e vestissem a melhor roupa. E saiu com elas, em direção ao campo de extermínio.

 


Yon Hashoá!

Naquele inferno em se transformava literalmente cada campo de concentração, cada câmara de gás, cada trem que rasgava as noites provocando incuráveis feridas em milhares de seres humanos, naquele verdadeiro inferno, surgiram também verdadeiros anjos.

Essa, é a história de um desses anjos: Janusz Korczak 

Janusz Korczak nem era seu nome verdadeiro. Era um pseudônimo extraído de um romance de Kra Szewski. Seu nome real era Henryk Goldszmit. Um homem humilde e simples.

Ele revelou o horror da guerra, a exterminação dos judeus poloneses e o holocausto em atos indescritíveis na maior atrocidade que a história e a humanidade já conheceram.

Este vídeo contém cenas muito fortes!

Sempre que assisto esses vídeos, e tenho que faze-lo por dever de ofício e por fazer parte da humanidade, não consigo impedir a emoção que toma conta do meu coração. As lágrimas escorrem pela minha face e, por mais que eu tente, nunca consigo imaginar a dor, o sofrimento, a tristeza, a agonia vivida pelos judeus no holocausto.

Esse vídeo é um desses casos. As imagens são fortes.

Israel pára, por dois minutos. As sirenes tocam. E todos ficam onde estão, como estão. Para lembrar aqueles que se foram.

Em Varsóvia, na Polônia, a cidade para, por um minuto. Para prestar sua homenagem aos heróis, militares e civis que deram sua vida. Todos se levantam e ficam quietos, enquanto a sirene emite um som de lamento, ao fundo. O levante de Varsóvia é sempre lembrado como um dos mais importantes movimentos contra os nazistas. 

Documento Histórico – registro da Crianção do Estado de Israel por Bem Gurion:

 

 

 

Sobre Paulo Roberto Machado